Galo Preto

chorinho

GALO  PRETO  -  25  ANOS
“Um jeito choro de tocar o Brasil”

Foi nos saraus da casa n º 12 do Dr. Raul Machado, biofísico, violonista e compositor bissexto, que os amigos da rua Professor Alfredo Gomes em Botafogo, Afonso (seu filho), Zé Maria e Alexandre começaram, após as peladas de Domingo, a se reunir para tocar as primeiras notas. Movidos pelo simples prazer de tocar, numa dessas reuniões musicais, surgiu a idéia de se formar um grupo.

Depois de um encontro com o mestre Claudionor Cruz, que ao ouvi-los decretou que continuassem a tocar e começassem a estudar aquilo que tocavam, surgiu o Conjunto Galo Preto, que neste ano de 2000, completa 25 anos de existência e principalmente de fiel resistência, ao prestar um inestimável serviço à música instrumental popular brasileira: o de buscar a renovação do choro, gênero genuinamente carioca, considerado nacional e internacionalmente o mais sofisticado e rico do nosso vasto acervo musical.

Valendo-se de algumas modificações dos seus integrantes - exceção feita ao trio de peladeiros -, o conjunto Galo Preto marca de forma definitiva sua importância no nosso cenário musical pela coerência de não abrir mão das suas marcas registradas: a rara e belíssima sonoridade embalada pelo inconfundível balanço que tanto enriquecem a interpretação do seu originalíssimo repertório e a incessante preocupação com a renovação do “choro”, haja vista a quantidade de compositores que embora não se caracterizassem como chorões na percepção do grande público, foram também assim valorizados e trazidos à tona pelas gravações do conjunto.

Mesmo quando toca os grandes mestres do choro através dos seus mais consagrados sucessos, a identidade do conjunto se evidencia através de sua forma de interpretar desobrigada e dos criativos arranjos próprios que seus componentes são capazes de produzir, fazendo-nos crer que além de se tocar choro, o fundamental é valer-se da forma choro de tocar. E nisso, ele é o “campeão da rinha” ou como diria Hermeto Pascoal: “esse Galo canta forte mesmo e é o regional mais moderno do Brasil”.

Afora o seu trabalho solo, o Galo Preto também muito justamente desfruta do conceito de ser um dos melhores conjuntos de acompanhamento, não fosse sua vastíssima experiência por já ter tido a oportunidade de acompanhar muitos dos mais importantes intérpretes da nossa música, a exemplo de Nelson Cavaquinho, Cartola, Elza Soares, Délcio Carvalho, Billy Blanco, Ademilde Fonseca e tantos outros.

O Galo Preto conta com uma discografia solo numericamente modesta, compreendida por quatro produtos: o primeiro foi gravado em 1978 pela extinta RCA Victor (atual BMG); o segundo, gravado no estúdio Sonoviso de forma independente, em 1981: o terceiro, cuja excepcional qualidade lhe valeu a indicação para o prêmio Sharp de 1992, saiu pela Leblon Records; e o quarto, Só Paulinho da Viola, gravado em 1995 também pela Leblon, evidencia a obra do magistral compositor que os presenteou com o “Maxixe do Galo”, especialmente composto para este disco.

Em 1998, o Galo Preto dividiu com Elton Medeiros e Nelson Sargento o compact disc “Só Cartola”, onde homenageiam o ilustre compositor mangueirense  e com quem o Galo teve a oportunidade de se apresentar no inesquecível show “Acontece” ocorrido no Teatro da Galeria, no Rio de Janeiro, em 1978.

Ao longo dos seus 25 anos o Galo Preto se apresentou levando ao público o que há de melhor na nossa música como Pixinguinha, Ernesto Nazareth, Jacob do Bandolim, Tom Jobim, Hermeto Paschoal, Sivuca, Cristóvão Bastos e tantos outros, e ministrando cursos para disseminar o melhor de nossa cultura musical em todo o país e em diversos lugares do mundo como na Suécia, no México e em Portugal, por ocasião da EXPO-98 realizada em Lisboa, onde teve a oportunidade de ser um dos nossos mais legítimos representantes.

Com vistas ao ano de 2001, o Galo Preto encontra-se em fase de pré produção do compact disc / show Nelson Cavaquinho – 90 Anos “O Dono das Calçadas”, que somado-se aos talentos de Soraya Ravenle e Guilherme de Brito, homenageará o genial compositor por ocasião da passagem dos 90 anos do seu de nascimento.

Sob a liderança musical de Afonso Machado, bandolinista, compositor, arranjador e diretor musical, o Galo Preto também conta em sua formação atual com os excepcionais José Maria Braga (flauta), Alexandre Paiva (cavaquinho), Bartolomeu Wiese (violão), Lucas Marques Porto (violão de 7 cordas) e João Alfredo Schleder (percussão).

 

Home Shows

Criticas

Discografia

Fale conosco